B3SA3 | B3

13/08/2020

B3 anuncia seus resultados financeiros para o segundo trimestre de 2020

Cenário ainda é de incertezas geradas pela pandemia da Covid-19, mas com otimismo em relação às perspectivas futuras de retomada do investimento, impulsionado pelos juros na mínima histórica

Podcast RI B3 – 2T2020

Clique aqui e ouça os comentários de Daniel Sonder, vice-presidente Financeiro, e Marcela Bretas, diretora de Relações com Investidores,sobre os resultados financeiros da B3 no 2º Trimestre de 2020

“O começo do segundo trimestre de 2020 coincidiu com o momento mais crítico da crise provocada pela pandemia. Nos mercados de capitais e financeiro brasileiros, passamos por um momento inédito que combina volatilidade gerada pelas incertezas que acompanham a crise atual a um cenário de taxas de juros em patamares historicamente baixos. Tal dinâmica teve como efeito uma busca por parte dos investidores, principalmente os locais, por rentabilidade e diversificação de seus portfolios, evidenciada pelo crescimento dos volumes negociados em nossos principais mercados de atuação.  O vigor dessa demanda encorajou as empresas a retomarem seus planos de captação de recursos, tanto no mercado de dívida quanto de ações, no qual vimos o pipeline de IPOs e follow-ons voltar a crescer. Nesse contexto, redobramos nossos esforços em oferecer aos nossos clientes um ambiente absolutamente seguro, tanto em relação à disponibilidade e ao bom funcionamento de nossas plataformas quanto ao nosso modelo de gerenciamento de risco. O momento atual continua a exigir cautela, mas estamos otimistas em relação às perspectivas futuras de retomada do investimento e aos efeitos estruturais da ampliação do número de investidores no mercado de capitais. Nesse sentido, a B3 continua preparada para oferecer a infraestrutura para atender nossos clientes e os reguladores e apoiar a retomada de uma trajetória de crescimento no Brasil.”, comentou  Gilson Finkelsztain, presidente da B3.

“O atual cenário, com impactos conjunturais e estruturais nos mercados de capitais e financeiros brasileiros, impulsionou os volumes negociados em nossos principais negócios. Com isso, apresentamos sólido desempenho financeiro e geração de caixa robusta durante o segundo trimestre.”, afirmou Daniel Sonder, vice-presidente Financeiro, Corporativo e de Relações com Investidores da B3.

São Paulo, 13 de agosto de 2020 – A B3 S.A. (B3SA3) divulga hoje os resultados financeiros do segundo trimestre de 2020 (2T20).

A receita total atingiu R$2,129 bilhões no 2T20, alta de 34,8% em relação ao 2T19, com crescimento de receita principalmente nos segmentos Listado e Balcão, refletindo a alta de volume negociado pelo impacto da volatilidade nos mercados financeiro e de capitais decorrente dos efeitos da pandemia. Na mesma base de comparação, o lucro líquido atribuído aos acionistas da B3 atingiu R$892 milhões, aumento de 36,3%.

Destaques do 2T20:                

Segmento Listado: receita de R$1,512 bilhão (71% do total), 48,7% maior do que no 2T19, impulsionada pela volatilidade nos mercados financeiros e de capitais decorrente dos efeitos da pandemia da Covid-19, que impactou tanto os volumes de ações e instrumentos de renda variável quanto de derivativos listados. O crescimento de 126,7% no número médio de investidores ativos na depositária de renda variável comprova o aumento do interesse pela diversificação de investimentos em um ambiente de taxa de juros mais baixa, mesmo em um cenário com volatilidade. A B3 continua apoiando, com programas de incentivo, as corretoras que se dedicam à atração de novos clientes para esse mercado.

Segmento Balcão: receita de R$ 262,8 milhões (12,3% do total), alta de 20,2% sobre o 2T19. O volume de novas emissões e o estoque de instrumentos de captação bancária registrados no trimestre cresceram 29,9% e 36,2%, respectivamente, em função, principalmente, do crescimento de emissões de CDB e DI, que representaram 65,4% e 30,8% das novas emissões, respectivamente. Outro destaque no trimestre foi o início do registro das Letras Financeiras Garantidas, emitidas pelas instituições financeiras ao BACEN, uma medida adotada para dar liquidez ao mercado em meio a pandemia, e que apresentou volume de emissão de R$30 bilhões no 2T20.

O Tesouro Direto também apresentou desempenho positivo, com o número de investidores crescendo 22,7% e o estoque em aberto aumentando 5,9%. A B3 oferece programa de incentivo para as corretoras expandirem o número de investidores e o estoque em aberto desse produto. Esse programa é revisado anualmente, sendo que as metas estabelecidas para o ano foram ajustadas levando em conta os resultados obtidos em 2019. Adicionalmente, a B3 e o Tesouro Nacional anunciaram que, a partir de agosto, a taxa de custódia para os investimentos no Tesouro Selic será zerada para os primeiros R$ 10 mil de saldo para todos os investidores.

Segmento Infraestrutura para Financiamento: receita de R$78,6 milhões (3,7% do total), queda de 51,8% sobre o 2T19. Essa queda é explicada pelos efeitos da pandemia da Covid-19 no mercado de venda e financiamento de veiculos, e pela mudança no modelo do negócio de envio de dados de contratos de financiamentos de veículos em alguns estados, que ocorreu em 2019.

Segmento Tecnologia, dados e serviços: receita de R$275,6 milhões (12,9% do total), alta de 52% sobre o 2T19, impactada pelas mudanças de tarifas de balcão, em que a B3 isentou algumas tarifas de serviços ligados aos volumes, incluindo tais serviços no pacote de serviços de utilização mensal, e dividindo, assim, parte de sua alavancagem operacional com o mercado e pelo aumento da base de clientes que utilizam os serviços e sistemas da B3.

O documento com as informações completas sobre os resultados operacionais da B3 para o segundo trimestre de 2020 está disponível no site de RI da B3.

B3. Com o mercado, para o futuro.

www.b3.com.br