ETF | B3

10/09/2018

B3 recebe o primeiro ETF de Renda Fixa do Brasil


IMG_Mirae.jpg

Crédito: Giovana Leme/Divulgação: Mirae Asset - Da esquerda para direita, Felipe Paiva, diretor de Relacionamento com Clientes Brasil da B3 e representantes da Mirae Asset: Paulo Bioni, Vitor Batista, Marcela Vega, Ricardo Marinho, Pablo Spyer, Jisang Yoo, Victor Hasegawa e Andre Pimentel

São Paulo, 10 de setembro de 2018 – A B3 passa a negociar, a partir de hoje, o primeiro ETF de Renda Fixa do Brasil. O produto foi desenvolvido pelo grupo financeiro Mirae Asset Global Investments em conjunto com a provedora do índice de referência S&P Dow Jones Índices e viabilizado pela plataforma de negociação da B3. O produto seguirá o S&P/B3 Índice de Renda Fixa, que medirá o desempenho de uma carteira hipotética composta por contratos futuros de DI de três anos.

As cotas do ETF são negociadas na B3 de forma semelhante às ações. Ao adquirir tais cotas, o investidor, indiretamente, passa a deter todos os ativos de renda fixa da carteira teórica do índice de referência. Dessa forma, o ETF proporciona mais transparência e liquidez no momento de diversificar os investimentos, além de requerer baixo valor inicial de aplicação.  

A parceria deixa à disposição das corretoras e bancos mais um produto com foco nos investidores institucionais (assets, fundações e investidores estrangeiros) e investidores pessoas físicas.

Segundo Felipe Paiva, diretor de Relacionamento com Clientes Brasil da B3, “o ETF de Renda Fixa contribuirá ainda mais para o nosso desafio de consolidar a educação financeira no país”. Além disso, traz uma série de vantagens, como o valor baixo e acessível a todos os investidores; liquidez: uma vez que por ser negociado em bolsa pode ser comprado e vendido como se fosse uma ação; diversificação: com apenas uma transação o ETF proporciona o investimento em uma variada carteira de produtos financeiros; e transparência: com formação de preço na bolsa possibilita que o investidor acompanhe diariamente a composição exata da carteira. 

“Precisamos continuar com a agenda de desenvolvimento do mercado brasileiro e, com o ETF de Renda Fixa, o Brasil está se alinhando às plataformas de investimento das principais indústrias financeiras e de mercado de capitais mundial”, completa Paiva.